Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Perdão

30.01.13publicado por Gato Pardo

Ultimamente ouço muito a palavra perdão.

Umas vezes devidamente empregue, outras completamente fora de contexto.

Fiz uma retrospectiva dos tempos passados em que ainda felino moçoilo das estepes, acreditava no bom carácter das pessoas e que éramos todos uns gajos porreiros que vivíamos a vida sem chatear ninguém. Mas depois descobri o maravilhoso mundo do sexo, a revista Casa Cláudia e o prazer de plantar petúnias e o meu mundo nunca mais foi o mesmo...Ah sim, e deixei de acreditar no coelhinho da Páscoa.

Eu não perdoo. Ponto. Mas também não perco o meu tempo a congeminar planos diabólicos de vingança. Isso dá demasiado trabalho e retira-me tempo útil que posso utilizar para coisas mais úteis como beber café, ver o canal Al Jazeera enquanto ouço Demis Roussos ou ver a Anatomia de Grey enfiado numa banheira cheia de pétalas de rosa e velas perfumadas ao redor (é ironia, senhores...Calma que existe uma diferença entre ser gato e abichanado...).

Curiosamente também não esqueço. O que é bom, porque significa que ainda não há indícios de Alzheimer. Depois, porque dá jeito para saber onde deixei as chaves do carro na noite anterior. E mais importante, para não voltar a determinados restaurantes onde ficaram contas razoavelmente elevadas por pagar...

O perdão é muito subjectivo. E também muito televisivo. Desde o programa "Perdoa-me" em que a Alexandra Lencastre chorava que nem uma Maria Madalena com filhos a pedir desculpas aos pais por terem roubado meia dúzia de linguiças do fumeiro 10 anos atrás que não me recordo de uma palavra tão mal tratada em busca da tão afamada percentagem de share...

Já me disseram que com este feitio não chego sequer às escadas rolantes, quanto mais aos portões do Céu. Eu, por outro lado, estou farto de dizer que basta-me uma corda que vou de bungee jumping lá para os confins dos Infernos...

4 comentários

Comentar este post